Jesus Continua Nascendo – Diácono José Aparecido de Oliveira

natal pequenoNos estábulos, nas esquinas, praças e calçadas, em qualquer espaço deste mundo, na casa do rico e na do pobre, Jesus pede passagem para entrar e se instalar num lugarzinho bem aconchegante.

Muitas vezes, o verdadeiro aniversariante do dia vai faltar, porque as pessoas estão muito preocupadas com o papai Noel que falsamente oferece presentes, como se ele fosse o salvador que ansiosamente esperam. Presentes que custam o “olho da cara” e não saciam a sede de felicidade.

Não serve um panetone, um chocolate, uma garrafa de vinho ou um pacote de bala ou bombom. Deslocou-se o presépio para os shoppings, com suas vitrines iluminadas, coloridas, clamando pelas visitas em busca de presentes

É muito barulho, iluminação encantadora, bebidas diversas, churrasco, mas Jesus menino fica abandonado no presépio frio, construído apenas para enfeitar a casa. Fica-se no aguardo do papai Noel como se ele fosse o grande libertador.

Não se vai à igreja a fim de participar da sagrada Eucaristia, nem mesmo se lembra do recém-nascido no Belém de cada lar humano. Nem uma prece, nem um gesto de gratidão.

Passado o Natal, é hora de preparar a festa do Ano Novo que se aproxima. Mais bebida, mais comilança, mais cachaça, muitos fogos de artifício, e barulho estonteante, com a impressão de que a felicidade e a paz vão chegar como que num passe de mágica. O ano novo começa e tudo volta ao que era antes, com os mesmos problemas, mesmos sofrimentos. Por quê? Porque o verdadeiro aniversariante não participou da festa.  Jesus ficou esquecido.

Agradecer a Deus, renovar o propósito pela luta por um mundo novo, diferente, mais voltado para o próximo que passa fome, que sofre, que é assassinado todos os dias nas diversas cidades do país, é necessário, mas nem sempre isso acontece.

Que mundo é esse, minha gente? Jesus sofre nos sofredores dessa pátria desumana, sem alma e sem coração. Sente frio, fome, grita de dor pelas doenças que aumentam a cada dia, sofre os ataques desse mundo violento sem dó nem compaixão.

Reflitamos sobre o verdadeiro sentido do Natal. Devolvamos a Jesus o direito de continuar sendo ele o centro das atenções de todo o mundo, o grande homenageado. Afinal, o aniversário é dele; ele é o dono da festa, a razão da celebração do Natal. Ele quer nascer no nosso coração. Feliz Natal! Natal do Menino Jesus.

(Diác José Aparecido de Oliveira)